Fale conosco via WhatsApp

Terça, 28 de setembro de 2021
informe o texto
Menu

Easy Cuiabá 99,1 fm No Ar: Na Hora do Almoço

NotíciasOpinião

Governos Goulart e Dilma

Governos Goulart e Dilma

17/09/2015 - 10:11

Governos Goulart e Dilma

Você sabia que o Ibope fez pesquisas secretas sobre o governo Jango Goulart às vésperas do golpe militar? Estavam engavetadas pelo Ibope e uma foi encontrada em arquivo da Unicamp. Quem revela isso em robusto artigo é Marcelo Rubens Paiva. Tomo emprestado o que ele revelou sobre esse assunto. A intenção é fazer um paralelo com o atual momento da presidente Dilma. Pesquisa encomendada ao Ibope pela Federação do Comércio de São Paulo, feita pertinho do golpe em três cidades de diferentes tamanhos daquele estado (S. Paulo, Araraquara e Avaí), mostrou que 45% dos entrevistados consideravam o governo Goulart ótimo ou bom, 24% regular e 16% péssimo. Em outra pesquisa, feita em oito capitais, 49,8% votariam em Jango se ele pudesse ser candidato à reeleição. Dilma hoje tem 7% de aprovação, Goulart, que foi deposto, tinha 45%. Ela tem 68% de péssimo, Goulart 16%. Mas, mostra Marcelo Paiva, o governo Goulart tinha enorme problema inflacionário, muito pior que o da Dilma. Em dezembro de 1962, a inflação chegou a 45,6% e fechou 1963 com quase 80%. O PIB de Jango estava melhor: caiu de 6,6% em 1962 para 0,6% em 1963. O da Dilma foi zero em 2014, deve cair 1.5% em 2015 e quase zero também em 2016. Em mais uma pesquisa escondida pelo Ibope, 59% dos entrevistados eram a favor das medidas anunciadas por Jango no famoso discurso na Central do Brasil que, em tese, detonou o golpe militar. Jango não estava tão ruim e caiu. Um ingrediente daquele tempo tem que ser trazido de volta. Era o momento da Guerra Fria. Moscou de um lado, Washington do outro. E os EUA, depois do que ocorrera em Cuba, incluindo a crise dos misseis soviéticos (1962) voltados para aquele país, resolveram endurecer o jogo na região. Documentos liberados recentemente mostram como foi feito o jogo para não permitir o Brasil perto dos fluidos de Moscou. Não existe nada disso no momento atual para que, como querem alguns aloprados, os militares ou sei lá quem tome o poder à força. Marcelo Paiva faz uma viagem pela história conturbada dos presidentes no Brasil. Não é preciso ir tão longe, a coluna apenas repete o que foi antes aqui publicado. Getúlio Vargas deu um tiro no peito. Café Filho, seu vice, foi impedido de assumir. Nereu Ramos, presidente do Senado, termina o mandato. JK quase não assume com revoltas militares. Jânio Quadros renuncia em sete meses. Goulart, na sequência, sofreu um golpe militar. Houve golpe no golpe quando não deixaram o vice Pedro Aleixo assumir no lugar de Costa e Silva. Tancredo Neves nem chegou a tomar posse. Assume Sarney para governar seis anos que foi diminuído na pressão para cinco. Collor de Mello sofreu impeachment. No segundo mandato de FHC, o PT queria sua renuncia. E no momento, Dilma termina o mandato, renuncia, sofre impeachment ou arrumam uma doença para que ela tire licença? Qual o Lula prefere? 

Alfredo da Mota Menezes
email: pox@terra.com.br
site: www.alfredomenezes.com

Fonte: alfredo da mota menezes

Centro América FM Cuiabá - Rua Marechal Deodoro, 504, Anexo 1, Santa Helena, Cuiabá - MT,
CEP 78005-100. Tel.: 65 3614-1888
Home
Sitevip Internet