Fale conosco via WhatsApp

Terça, 28 de setembro de 2021
informe o texto
Menu

Easy Cuiabá 99,1 fm No Ar: Na Hora do Almoço

NotíciasOpinião

Um pouco de história

Um pouco de história

10/07/2016 - 08:00

     Em 1983 o deputado federal Dante de Oliveira apresentou emenda para eleição direta, em novembro de 1984, para presidente da República. A emenda passou a chamar Diretas Já e milhões de pessoas foram às ruas pedir eleição direta.

     Em 25 de abril de 1984 o Congresso derrotou a emenda das diretas. Precisava de 320 votos para ser aprovada, teve 298 votos, uma diferença de somente 22 votos. Apenas 65 votaram a favor e 113 parlamentares não compareceram para votar.

     Povo na rua, votação apertada no Congresso, recessão econômica entre 1981-83 e inflação caminhando para 200% ao ano fizeram com que lideranças da oposição resolvessem peitar no Colégio Eleitoral, em 15 de janeiro de 1985, o candidato Paulo Maluf indicado pelo regime militar. Ganhou Tancredo Neves com 72% dos votos, Maluf com 28%. A emenda do Dante, ao levar povo para a rua para pedir a saída do regime, ajudou naquele desfecho.

     Em Mato Grosso, numa dura disputa interna com o grupo comandado por Garcia Neto, Dante ganhou o direito de ser candidato a prefeito da capital pelo PMDB em 1985. Não ganharia aquela batalha eleitoral se não fosse o cara das Diretas Já. Elege-se prefeito. Deixa o cargo para ser Ministro da Reforma Agrária do governo Sarney. Volta a ser prefeito, termina o mandato em 1989.

     Em 1990 abandona o PMDB, vai para o PDT. Perde eleição para deputado federal. Volta em 1992 como prefeito, deixa no cargo o vice, coronel Meireles do PSDB, e se elege governador em 1994.

     Por apoiar a proposta de reeleição que beneficiava FHC foi ameaçado de expulsão do PDT, filia-se ao PSDB em 1997. Reelege-se governador em 1998.

     A situação do governo estadual em 1995 era ruim. Com apoio e incentivo de Brasília, Dante deixa suas teses de esquerda de lado e abraça o liberalismo do momento. Privatiza a Cemat e liquida o Bemat, exemplos dessa mudança de postura política. Continuou a enxugar a máquina pública, houve milhares de desemprego no serviço público.

     Mas assim mesmo as contas continuavam com problemas. Depois de reeleito, antes da posse, em dezembro de 1998, a Assembleia Legislativa aprovou aumento de ICMS em energia elétrica e telefonia. Ajudou nas contas, mas atrapalhou perante a opinião pública. Foi um fato muito usado na eleição de 2002.

     Nos governos Dante, com ajuda de Brasília, foi concluída a Usina de Manso, chegou o gás da Bolívia na Termelétrica e a ferrovia até Alto Araguaia. Foi criado ainda em abril de 2000 o Fethab. Também criou meios para incentivar a produção de algodão e exploração de madeira.

     Preparava-se para a eleição para deputado federal quando faleceu em seis de julho de 2006. Quer ver uma coincidência interessante? Outro governador de MT, Totó Paes, foi assassinado em seis de julho de 1906. Mesmo dia e mês da morte do Dante e 100 anos certinho de diferença entre 2006 e 1906. Mais uma coincidência? Os dois morreram aos 54 anos de idade.
 

Fonte: Alfredo da Mota Menezes e-mail: pox@terra.com.br site: www.alfredomenezes.com

Centro América FM Cuiabá - Rua Marechal Deodoro, 504, Anexo 1, Santa Helena, Cuiabá - MT,
CEP 78005-100. Tel.: 65 3614-1888
Home
Sitevip Internet